O Programa mais Recente:

  • Justiça Para Todos traz informações sobre a Escola da Magistratura do Paraná

    Justiça Para Todos traz informações sobre a Escola da Magistratura do Paraná

    Entrevistado:

    José Laurindo de Souza Netto

    Data do Programa:

    Segunda, 16 Abril 2018

    Tema:

    Escola da Magistratura do Paraná

    Nesta segunda-feira (16), o Justiça Para Todos conversou com o desembargador José Laurindo de Souza Netto, diretor-geral da Escola da Magistratura do Paraná. Na oportunidade, ele trouxe mais informações sobre o trabalho desenvolvido pela EMAP, explicando quais cursos são ofertados pela instituição. “Ela se destina a preparar, atualizar e especializar os magistrados, não só nos cursos de vitaliciamento, mas também nos de preparação inicial e formação continuada. Também tem como objetivo preparar os bacharéis de Direito para o exercício da magistratura, para que possam prestar o concurso de ingresso”, afirma.
    O desembargador também comentou sobre os diferenciais da escola e avaliou o desempenho dos alunos da EMAP nos concursos para a magistratura. José Laurindo falou, ainda, sobre a importância da atuação da escola na formação e aperfeiçoamento dos juízes. “O que se verifica hoje é que um dos maiores desafios ao Poder Judiciário é selecionar e formar bons magistrados, aptos a solucionar não só o processo, o caso concreto, mas também o conflito sociológico – que é muito mais amplo e nem sempre é possível de ser resolvido com a mera aplicação da lei”, reflete.
    Confira aqui a entrevista na íntegra.

Violência obstétrica é tema de edição do Justiça Para Todos

Quarta, 28 Junho 2017

Violência obstétrica é tema de edição do Justiça Para Todos

Tema:

Violência obstétrica

Entrevistado:

Mariana Bazzo

O programa Justiça Para Todos recebeu, nesta quarta-feira (28), a promotora de Justiça Mariana Bazzo, coordenadora do Núcleo de Promoção da Igualdade de Gênero do Ministério Público do Paraná. Ela trouxe aos ouvintes mais informações sobre violência obstétrica, esclarecendo os principais direitos da gestante no período da gravidez e, também, durante e após o parto. A promotora elencou, ainda, as principais obrigações dos estabelecimentos de saúde no atendimento à mulher: “Os hospitais e maternidades devem providenciar condições para que a gestante tenha o direito a acompanhante respeitado, para que ela tenha um plano de parto elaborado e respeitado, justificando ações e medidas em desacordo com o planejado”, observa.
Na oportunidade, Mariana também definiu que tipos de prática caracterizam a violência obstétrica, relacionando-a com a desigualdade de gênero no país: “Todas essas questões que envolvem o corpo da mulher, de uma maneira específica, têm a ver com a violência e desigualdade de gênero – na qual está incluída, sem dúvida nenhuma, a violência obstétrica”, comenta a promotora. Ela explicou, ainda, o conceito e a importância do parto humanizado, e discutiu sobre os principais desafios do Poder Judiciário, do sistema de saúde e da gestão pública no combate à violência obstétrica. Por fim, a promotora avaliou a atuação do Núcleo de Promoção da Igualdade de Gênero, do Ministério Público, na proteção da mulher gestante.
Confira aqui a entrevista na íntegra.

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo