O Programa mais Recente:

  •  Juíza Mônica Fleith fala sobre as possíveis punições para o crime de violência doméstica

    Juíza Mônica Fleith fala sobre as possíveis punições para o crime de violência doméstica

    Entrevistado:

    Mônica Fleith

    Data do Programa:

    Terça, 12 Março 2019

    Tema:

    Punições para o crime de violência doméstica

    A série especial de entrevistas realizadas pelo programa de rádio da AMAPAR, o Justiça para Todos, na Semana Nacional Pela Paz em Casa, recebeu na terça-feira (12), a juíza Mônica Fleith, que atua no juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da comarca de Maringá, para falar sobre as possíveis punições e consequências à pessoa que cometem crimes que envolvem violência doméstica.

    A magistrada detalhou como acontece, na prática, a punição ao agressor, explicando que a pena depende da gravidade do delito praticado. Alguns crimes decorrentes da violência doméstica podem ter penas que serão cumpridas em regime aberto, excetuando situações mais graves como, por exemplo, o estupro e o feminicídio. Segundo a magistrada, em Maringá os agressores em cumprimento da pena são encaminhados a grupos de reeducação, que têm como propósito promover orientação e reflexão sobre as questões relacionadas aos delitos que ocasionaram suas prisões. Confira aqui a entrevista na íntegra. 

Justiça Para Todos traz informações sobre a Escola da Magistratura do Paraná

Segunda, 16 Abril 2018

Justiça Para Todos traz informações sobre a Escola da Magistratura do Paraná

Tema:

Escola da Magistratura do Paraná

Entrevistado:

José Laurindo de Souza Netto

Nesta segunda-feira (16), o Justiça Para Todos conversou com o desembargador José Laurindo de Souza Netto, diretor-geral da Escola da Magistratura do Paraná. Na oportunidade, ele trouxe mais informações sobre o trabalho desenvolvido pela EMAP, explicando quais cursos são ofertados pela instituição. “Ela se destina a preparar, atualizar e especializar os magistrados, não só nos cursos de vitaliciamento, mas também nos de preparação inicial e formação continuada. Também tem como objetivo preparar os bacharéis de Direito para o exercício da magistratura, para que possam prestar o concurso de ingresso”, afirma.
O desembargador também comentou sobre os diferenciais da escola e avaliou o desempenho dos alunos da EMAP nos concursos para a magistratura. José Laurindo falou, ainda, sobre a importância da atuação da escola na formação e aperfeiçoamento dos juízes. “O que se verifica hoje é que um dos maiores desafios ao Poder Judiciário é selecionar e formar bons magistrados, aptos a solucionar não só o processo, o caso concreto, mas também o conflito sociológico – que é muito mais amplo e nem sempre é possível de ser resolvido com a mera aplicação da lei”, reflete.
Confira aqui a entrevista na íntegra.

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo