O Programa mais Recente:

  •  Juíza Mônica Fleith fala sobre as possíveis punições para o crime de violência doméstica

    Juíza Mônica Fleith fala sobre as possíveis punições para o crime de violência doméstica

    Entrevistado:

    Mônica Fleith

    Data do Programa:

    Terça, 12 Março 2019

    Tema:

    Punições para o crime de violência doméstica

    A série especial de entrevistas realizadas pelo programa de rádio da AMAPAR, o Justiça para Todos, na Semana Nacional Pela Paz em Casa, recebeu na terça-feira (12), a juíza Mônica Fleith, que atua no juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da comarca de Maringá, para falar sobre as possíveis punições e consequências à pessoa que cometem crimes que envolvem violência doméstica.

    A magistrada detalhou como acontece, na prática, a punição ao agressor, explicando que a pena depende da gravidade do delito praticado. Alguns crimes decorrentes da violência doméstica podem ter penas que serão cumpridas em regime aberto, excetuando situações mais graves como, por exemplo, o estupro e o feminicídio. Segundo a magistrada, em Maringá os agressores em cumprimento da pena são encaminhados a grupos de reeducação, que têm como propósito promover orientação e reflexão sobre as questões relacionadas aos delitos que ocasionaram suas prisões. Confira aqui a entrevista na íntegra. 

Liberdade de cátedra versus doutrinação partidária e ideológica

Segunda, 17 Dezembro 2018

 Liberdade de cátedra versus doutrinação partidária e ideológica

Tema:

Polêmica- Liberdade de cátedra

Entrevistado:

Francisco Monteiro Rocha Júnior

O advogado Francisco Monteiro Rocha Júnior conversou com o Justiça para Todos, nesta segunda-feira (17), sobre a polêmica envolvendo denúncias de doutrinação em sala de aula. O convidado deu início a entrevista esclarecendo o caso envolvendo uma deputada que solicitou aos estudantes que gravassem vídeos e áudios como prova de doutrinação política e partidária por parte dos professores e as consequências trazidas pela ação civil pública, apresentada pelo MPSC contra a deputada. Durante a entrevista, Francisco explicou no que consiste o projeto Escola Sem Partido e as suas disposições. Com relação à expectativa para o ano de 2019, no que se refere ao tratamento desta questão, Francisco Monteiro Rocha Júnior destacou: “A sociedade perceber que a democracia está fundada nesse pluralismo, nessa diversidade de ideias, então perseguir uma parte por motivos ideológicos não é uma caminho para consolidarmos uma democracia tal qual todos nós queremos”.  Coinfira aqui a entrevista na íntegra.  

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo