O Programa mais Recente:

  • Conheça o A.DOT, primeiro aplicativo de adoção do Brasil

    Conheça o A.DOT, primeiro aplicativo de adoção do Brasil

    Entrevistado:

    Sérgio Kreuz

    Data do Programa:

    Quinta, 19 Julho 2018

    Tema:

    Aplicativo para adoção

    O Justiça para Todos desta quinta- feira (19) conversou com o juiz Sérgio Kreuz sobre o A.DOT, primeiro aplicativo de adoção do Brasil, lançado no dia 25 de maio, em comemoração ao dia nacional da adoção. O magistrado iniciou a conversa explicando o motivo pelo qual houve a necessidade da criação do aplicativo, seu funcionamento na prática e o principal objetivo da ferramenta, que é dar visibilidade as adoções chamadas “difíceis” como, por exemplo, de crianças e adolescentes mais velhos e grupos de irmãos.

    O processo de produção do conteúdo, como vídeos e fotos das crianças, disponível no aplicativo para consulta exclusiva dos pretendentes também foi abordado durante a entrevista. O juiz falou sobre os cuidados necessários para a produção desse conteúdo, com o objetivo de não criar falsas esperanças para a criança. Com relação aos benefícios trazidos pelo aplicativo ao sistema de adoção brasileiro, Kreuz ressaltou: “A criança tem direito, de acordo com a Constituição, de viver em uma família, e para isso nós precisamos buscar alternativas. O aplicativo vem nessa direção para tentar viabilizar a convivência familiar dessas crianças e adolescentes”. Confira aqui a entrevista na íntegra.

Terceirização da saúde pública é tema de edição do Justiça Para Todos

Quarta, 12 Julho 2017

Terceirização da saúde pública é tema de edição do Justiça Para Todos

Tema:

Terceirização da saúde pública

Entrevistado:

Cláudio Smirne Diniz

O Justiça Para Todos conversou, nesta quarta-feira (12), com o promotor de Justiça Cláudio Smirne Diniz, que trouxe mais informações sobre a terceirização de serviços na área da saúde pública. Explicando primeiramente, em linhas gerais, o conceito de terceirização, ele esclareceu aos ouvintes de que maneira esse regime se aplica ao sistema de saúde oferecido pelo governo: “O Estado pode se valer, também, dos médicos e empresas particulares para prestar o serviço público de saúde”, comenta. O promotor também falou sobre as vantagens e desvantagens da terceirização desses serviços, avaliando os possíveis impactos, na área da saúde pública, com a aprovação da Lei nº 13.429 de 2017 – a Lei da Terceirização.
Durante a entrevista, Diniz discutiu ainda sobre o papel das instituições na fiscalização e adequação dos serviços de saúde – especialmente os terceirizados. “O papel do Judiciário, do Ministério Público e da sociedade como um todo é fiscalizar essas terceirizações – desde o momento em que elas são contratadas até o momento em que os repasses de verbas são efetuados e o serviço é prestado. E, toda vez que houver alguma irregularidade em qualquer desses momentos, os órgãos públicos competentes devem ser comunicados para que as providências sejam tomadas”, ressalta o promotor.
Confira aqui a entrevista na íntegra.

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo