O Programa mais Recente:

  • Entenda o que é crime contra a honra e o impacto das fake news na propaganda eleitora

    Entenda o que é crime contra a honra e o impacto das fake news na propaganda eleitora

    Entrevistado:

    Siderlei Ostrufka Cordeiro

    Data do Programa:

    Terça, 19 Março 2019

    Tema:

    crimes contra a honra e fake news

    O juiz Siderlei Ostrufka Cordeiro participou do programa de rádio da AMAPAR, o Justiça para Todos, nesta terça-feira (19). Ele trouxe aos ouvintes da Paraná Educativa mais informações sobre os crimes contra a honra cometidos nas redes sociais e também sobre o impacto das fake news na propaganda eleitoral.

    Ao início da entrevista, para situar os ouvintes, o magistrado explicou o conceito de honra: “É um conjunto de atributos dispostos a respeito de uma pessoa capaz de valorar a sua autoestima. Quando falamos de autoestima falamos de uma honra subjetiva, aquela que o sujeito tem em relação a ele próprio. Ou uma consideração perante a sociedade, que seria a honra objetiva”. Segundo o juiz, a partir desse conceito, são diferenciados os crimes contra a honra em que a ofensa ao bem jurídico é uma ofensa a honra subjetiva, dos crimes em que a ofensa é a honra objetiva. Ao longo da entrevista, o magistrado esclareceu e exemplificou situações que envolvem calúnia, injúria e difamação. Siderlei, durante a conversa, fez um alerta aos ouvintes: “Não é por que um fato em tese seja verdadeiro que você pode divulgá-lo”. Confira aqui a entrevista na íntegra. 

Justiça para Todos traz informações sobre acolhimento familiar

Quinta, 26 Abril 2018

Justiça para Todos traz informações sobre acolhimento familiar

Tema:

Acolhimento familiar

Entrevistado:

Marisa de Freitas

A juíza Marisa de Freitas, diretora do Fórum de Guaratuba, trouxe aos ouvintes da Rádio Educativa mais informações sobre o Programa Família Acolhedora, que está sendo implementado na comarca. Na oportunidade, ela explicou as diferenças entre o acolhimento institucional para o acolhimento familiar e destacou as vantagens das famílias acolhedoras, para os jovens que se encontram em uma situação de vulnerabilidade social. “Se você consegue colocar essa criança/adolescente, inserido em uma família, ao invés, de em uma instituição, a probabilidade de ressocialização e de reencontro desse jovem com a sua família é muito maior. Essa criança permanece no ambiente familiar”. A magistrada ainda comentou a respeito do que precisa ser aprimorado, no nosso estado e também no país, em relação ao acolhimento de crianças e adolescentes. Confira aqui a entrevista na íntegra.

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo