O Programa mais Recente:

  • Conheça o A.DOT, primeiro aplicativo de adoção do Brasil

    Conheça o A.DOT, primeiro aplicativo de adoção do Brasil

    Entrevistado:

    Sérgio Kreuz

    Data do Programa:

    Quinta, 19 Julho 2018

    Tema:

    Aplicativo para adoção

    O Justiça para Todos desta quinta- feira (19) conversou com o juiz Sérgio Kreuz sobre o A.DOT, primeiro aplicativo de adoção do Brasil, lançado no dia 25 de maio, em comemoração ao dia nacional da adoção. O magistrado iniciou a conversa explicando o motivo pelo qual houve a necessidade da criação do aplicativo, seu funcionamento na prática e o principal objetivo da ferramenta, que é dar visibilidade as adoções chamadas “difíceis” como, por exemplo, de crianças e adolescentes mais velhos e grupos de irmãos.

    O processo de produção do conteúdo, como vídeos e fotos das crianças, disponível no aplicativo para consulta exclusiva dos pretendentes também foi abordado durante a entrevista. O juiz falou sobre os cuidados necessários para a produção desse conteúdo, com o objetivo de não criar falsas esperanças para a criança. Com relação aos benefícios trazidos pelo aplicativo ao sistema de adoção brasileiro, Kreuz ressaltou: “A criança tem direito, de acordo com a Constituição, de viver em uma família, e para isso nós precisamos buscar alternativas. O aplicativo vem nessa direção para tentar viabilizar a convivência familiar dessas crianças e adolescentes”. Confira aqui a entrevista na íntegra.

Justiça Para Todos fala sobre projetos sociais desenvolvidos na comarca de Sengés

Segunda, 06 Novembro 2017

Justiça Para Todos fala sobre projetos sociais desenvolvidos na comarca de Sengés

Tema:

Responsabilidade social

Entrevistado:

Marcelo Quentin

Nesta segunda-feira (06), o Justiça Para Todos recebeu o juiz Marcelo Quentin, que trouxe mais informações sobre dois projetos de responsabilidade social: o “Justiça Sem Grades” e “Adolescente em Desenvolvimento”, desenvolvidos na comarca de Sengés, no Paraná. Primeiramente, o magistrado explicou quais são os principais objetivos do “Justiça Sem Grades”, pontuando a atual situação do sistema prisional no país: “Nós temos um problema muito sério em falta de vagas em penitenciárias. A maioria dos presos se encontra dentro de carceragens, na delegacia de polícia, ou em cadeia pública”. Ele também comentou sobre o processo de reinauguração da cadeia pública de Sengés, que contou com a contribuição dos presos envolvidos no projeto.
Na oportunidade, o juiz também falou sobre os objetivos do “Adolescente em Desenvolvimento”, iniciativa direcionada aos menores infratores. “A ideia é inserir nesse trabalho alguns adolescentes infratores, sob a supervisão do delegado de polícia, e possibilitando que os adolescentes trabalhem, também, em órgãos públicos”, comenta. O magistrado destacou, ainda, as principais dificuldades encontradas no processo de ressocialização dos adolescentes.
Confira aqui a entrevista na íntegra.

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo