O Programa mais Recente:

  • Atuação do Gaeco na Tríplice Fronteira é tema de edição do Justiça Para Todos

    Atuação do Gaeco na Tríplice Fronteira é tema de edição do Justiça Para Todos

    Entrevistado:

    Tiago Lisboa Mendonça

    Data do Programa:

    Quinta, 08 Fevereiro 2018

    Tema:

    Atuação do Gaeco

    O Justiça Para Todos conversou, nesta quinta-feira (08), com o promotor Tiago Lisboa Mendonça, coordenador da unidade de Foz do Iguaçu do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Na oportunidade, ele explicou aos ouvintes sobre as competências e a atuação do órgão: “O trabalho desenvolvido pelo Gaeco é atuar em um nicho muito específico que é a área de combate à criminalidade organizada”.
    Durante a conversa, o promotor também comentou sobre o panorama atual da criminalidade nas áreas de fronteira, mais especificamente em Foz do Iguaçu. “É uma teia muito grande de crimes que se relacionam com essa posição geográfica, e isso demanda uma atuação bem específica do Gaeco”, observa. Tiago avaliou, ainda, os desafios no trabalho desenvolvido pelo órgão nessa região.
    Confira aqui a entrevista na íntegra.

Justiça Para Todos discute representatividade feminina na política

Sexta, 07 Julho 2017

Justiça Para Todos discute representatividade feminina na política

Tema:

Representatividade feminina na política

Entrevistado:

Carla Karpstein

O Justiça Para Todos recebeu, nesta sexta-feira (07), a advogada Carla Karpstein, que falou sobre a atual representatividade feminina nos cargos políticos do país. Destacando algumas das principais reivindicações históricas pela concessão de direitos às mulheres, ela comentou sobre os avanços na legislação brasileira, nos últimos anos, com relação à igualdade de gênero. A advogada avaliou a atual distribuição dos cargos políticos entre homens e mulheres, explicando os principais motivos da baixa representatividade feminina na gestão pública. “Principalmente, é a forma como os partidos políticos estaduais e municipais estão colocados no Brasil; eles são, hoje, um monopólio masculino”, comenta.
A advogada discutiu, ainda, sobre a necessidade da adoção de medidas visando ao aumento da participação feminina em todos os setores da sociedade. “A questão de gênero deve ser discutida para que haja uma igualdade plena desde o início, e para que não se enxergue mais a diferença entre homem e mulher ao se conceder uma bolsa de mestrado, uma promoção em uma empresa privada ou pública, um cargo de chefia – enfim, tudo isso precisa ser eliminado à base da discussão de gênero”, ressalta.
Confira aqui a entrevista na íntegra.

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo