O Programa mais Recente:

  • Justiça para Todos conversa com o Juiz Ricardo Henrique Ferreira sobre o Projeto Justiça ao Espectador

    Justiça para Todos conversa com o Juiz Ricardo Henrique Ferreira sobre o Projeto Justiça ao Espectador

    Entrevistado:

    Ricardo Henrique Ferreira

    Data do Programa:

    Quinta, 24 Maio 2018

    Tema:

    Projeto Justiça ao Espectador

    O programa Justiça para Todos desta quinta-feira (24) conversou com o juiz auxiliar da 2º vice-presidência do Tribunal de Justiça do Paraná, Ricardo Henrique Ferreira, sobre o projeto Justiça ao Espectador. Por meio do projeto são instalados, em grandes eventos, o Posto do Juizado do Torcedor, com o objetivo de atender ocorrências policiais que ocorram durante a realização desses eventos esportivos ou espetáculos de diversão pública. O magistrado trouxe mais informações sobre como o programa funciona na prática e apontou as ocorrências mais frequentes atendidas pelo Posto do Juizado do Torcedor. O trabalho realizado pelo projeto Biometria nos Estádios, desenvolvido dentro do escopo do Justiça ao Espectador, também foi esclarecido durante a conversa. Além disso, Ricardo trouxe uma reflexão sobre os avanços do Poder Público na prevenção da violência nos estádios e eventos esportivos: “O Poder público vem fazendo um trabalho muito bom. As polícias civil e militar do estado do Paraná têm uma ação muito interessante, um trabalho de inteligência de mapeamento muito efetivo que tem garantido uma segurança bem eficaz.” Confira aqui a entrevista na íntegra.  

Especial Combate à Violência Doméstica e Familiar – Justiça Para Todos esclarece dúvidas sobre medidas protetivas

Quarta, 22 Novembro 2017

Especial Combate à Violência Doméstica e Familiar – Justiça Para Todos esclarece dúvidas sobre medidas protetivas

Tema:

Semana Nacional Justiça pela Paz em Casa

Entrevistado:

Zilda Romero

Continuando o especial sobre a Semana Nacional Justiça pela Paz em Casa, o Justiça Para Todos conversou com a juíza Zilda Romero, que trouxe mais informações sobre o combate à violência doméstica e familiar. “Nós todos sabemos que em nossa sociedade ainda há muita desigualdade entre o homem e a mulher. Apesar de todos os avanços, a mulher ainda sofre discriminação em todos os âmbitos”, reflete. A magistrada também explicou aos ouvintes quais são os tipos mais comuns de agressão doméstica e familiar, e ressaltou a importância da Lei Maria da Penha no combate a essa forma de violência. “Foi uma das maiores conquistas às mulheres adeptas em movimentos dos direitos iguais. A mulher não quer privilégios; ela quer igualdade de direitos”, observa.
Na oportunidade, a juíza também esclareceu o que são medidas protetivas e de que maneira a vítima pode fazer uma denúncia de violência doméstica e familiar. Por fim, Zilda destacou a necessidade de haver uma conscientização e participação de toda a comunidade no enfrentamento à violência contra a mulher e à desigualdade de gênero: “Precisamos que haja um engajamento de toda a sociedade, em todas as áreas, para um enfrentamento a essa forma de violência. É um compromisso de todos”, conclui.
Confira aqui a entrevista na íntegra.

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo