O Programa mais Recente:

  • Conheça o trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Práticas de Incentivo à Autocomposição do MPPR

    Conheça o trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Práticas de Incentivo à Autocomposição do MPPR

    Entrevistado:

    Samia Saad Galotti Bonavides

    Data do Programa:

    Terça, 22 Janeiro 2019

    Tema:

    Trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Práticas de Incentivo à Autocomposição do MPPR

    Nesta terça-feira (22), o Justiça para Todos conversou com a procuradora de justiça Samia Saad Galotti Bonavides sobre o trabalho desenvolvido pelo Núcleo de Práticas de Incentivo à Autocomposição do Ministério Público do Paraná. A convidada deu início a entrevista explicando o que são os métodos alternativos de resolução de conflitos, os principais objetivos da iniciativa do MPPR e como funcionará na prática o trabalho realizado pelo Núcleo. Além de falar sobre a importância da política de incentivo e aperfeiçoamento dos mecanismos de autocomposição, Samia apontou os benefícios que estas práticas trazem a sociedade. Com relação aos planos para o ano de 2019, a procuradora ressaltou: “Os planos são no sentido do Núcleo se consolidar e principalmente, conseguir estimular e atuar em composição na área dos direitos difusos e coletivos”.  Confira aqui a entrevista na íntegra. 

Entenda o funcionamento dos recursos criminais

Sexta, 25 Maio 2018

Entenda o funcionamento dos  recursos criminais

Tema:

Recursos criminais

Entrevistado:

João Rafael de Oliveira

Os recursos criminais previstos no ordenamento jurídico foram discutidos no programa Justiça para Todos, desta sexta-feira (25). O advogado e professor João Rafael de Oliveira trouxe esclarecimento aos ouvintes da rádio Educativa sobre o assunto. Recursos previstos na legislação, embargos de declaração, embargos infringentes e quando o réu pode recorrer ao STF ou STJ foram questões abordadas e explicadas pelo advogadoQuestionado seo expressivo número de recursos presentes no ordenamento jurídico causam morosidadeno encerramento de processos, João Rafael pontuou:“Quando nós não tínhamos o processo eletrônico, de fato havia uma demora na apreciação dos recursos, especialmente nos recursos perante o STJ e STF”. Confira aqui a entrevista na íntegra.

bemapbjudibamb403069308 jusprevlogo